sexta-feira, 16 de setembro de 2016

A Trombose Tem Cura?

A trombose venosa profunda tem tratamento, com os seguintes objetivos: diminuir o risco de embolização para os pulmões, impedir o crescimento do trombo e impedir a formação de novos trombos. Se não tratados, cerca de 50% dos pacientes com TVP nas veias mais superiores do membro inferior irá apresentar embolia pulmonar. Isso significa que, se não tratado, a TVP é um quadro com alto risco de morte.

A anticoagulação do sangue com heparina fracionada ou heparina de baixo peso molecular é eficaz para diminuir o risco de TEP e da formação de trombos novos. Após cinco dias de heparina, que é administrada com injeções subcutâneas, o paciente passa a receber apenas anticoagulantes em comprimido, como a warfarina. A warfarina é mantida pelo menos seis meses, dependendo da gravidade e dos fatores de risco do paciente.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Terapia de Compressão-Princípios e Ação

Saiba mais sobre esta importante terapia:

O conceito de terapia de compressão está num simples e eficiente princípio mecânico: a aplicação de uma peça de roupa elástica ao redor da perna. Ao aplicar uma compressão gradual no membro – forte no tornozelo e mais amena conforme sobe pelas pernas, as meias medicinais de compressão ajudam o retorno venoso, diminuindo a pressão venosa, prevenindo a estase venosa e o dano às paredes das veias, aliviando com eficiência a dor e a sensação de pernas pesadas. Este tratamento é prescrito por um médico para tratar flebite, trombose, tratamento após cirurgia de veias e alívio das manifestações de doença venosa crônica (pernas pesadas, varizes, edemas, úlceras de perna, etc.). Também pode ser prescrito para prevenir problemas venosos durante a gravidez e viagens longas.

Indicações e contraindicações

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Noções sobre trombose venosa profunda

A trombose venosa, por definição, é a presença de um coágulo dentro de uma veia. Pode ser superficial, quando o coágulo está em uma veia no subcutâneo (embaixo da pele) ou profunda quando a veia acometida está no meio dos músculos das pernas ou dentro da barriga. O local profundo mais acometido são as pernas e o superficial os braços. Estima-se que cerca de 180.000 novos casos de trombose venosa surgem no Brasil a cada ano.

A formação deste coágulo dentro da veia ocorre por alguns fatores como lesão endotelial (da parede interna da veia), dificuldade do sangue circular (estase) e, o aumento da viscosidade sanguínea (sangue mais grosso). Vários fatores podem estar envolvidos para que estas alterações ocorram, as quais descreveremos a seguir.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Sintomas da TVP

Você sabe reconhecer os sintomas e quando chega a hora de procurar seu médico?

Em cerca de metade dos casos, a trombose não apresenta sintomas óbvios.

Se ocorrerem sintomas de trombose, entre eles podemos citar:

  • Inchaço da perna afetada, tornozelo e pé.
  • Machucou a perna, o que também pode se estender até o tornozelo e pé. A dor geralmente ocorre na panturrilha e se parece com uma cãibra ou uma cepa.
  • Vermelhidão e aumento da temperatura da zona afetada.
  • Masculino ou inchaço nos braços ou pescoço. Eles podem ocorrer se o coágulo sanguíneo é formado nos braços ou no pescoço.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Cuidados Intensivos de Enfermagem ao Paciente com TVP

Você sabia que todo o profissional da saúde tem seu papel na TVP, saiba um pouco mais sobre o trabalho da enfermagem conosco.


  • Deve-se estar atento a queixas de tosse, dispnéia, hemoptise; 
  • Observar presença de cianose; 
  • Ficar atento a quedas de saturação de oxigênio; 
  • Medir diariamente a circunferência do membro afetado; 
  • Avaliar a perfusão do membro afetado; 

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Diagnóstico diferencial

Em medicina, diagnóstico diferencial é um método sistemático usado para identificar doenças. É feito, essencialmente, por processo de eliminação. Nem todo diagnóstico médico é diferencial.

Existe uma série de fatores necessários prévios à emissão de um diagnóstico diferencial. Em primeiro lugar, o processo não é unilateral, então requer sensibilidade e responsabilidade de ambas as partes: profissional e paciente.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Diagnostico de TVP laboratorial

O diagnóstico laboratorial baseia-se na busca de marcadores da coagulação e da fibrinólise e de distúrbios da coagulação congênitos ou adquiridos, especialmente em pacientes jovens, com história pregressa ou familiar. Embora as enzimas ativadas da coagulação e fibrinólise sejam transitórias, subprodutos de sua ativação podem ser mensurados. O D-dímero, produto da degradação da fibrina pela plasmina reflete a atividade fibrinolítica e a presença de trombos no interior dos vasos.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Diagnóstico de TVP por imagem

Tipos de diagnóstico da TVP

O método ideal para diagnóstico de TVP seria aquele com altas acurácia, especificidade e sensibilidade, com alto valor preditivo. Além disso, deve ser seguro, de baixo custo, com mínimo desconforto para o paciente, portátil, facilmente aplicável e interpretável, com resultado imediato; deve, ainda, ser capaz de detectar coágulos em veias superficiais e profundas dos membros e nas veias de pelve e abdome. É necessário que faça a diferenciação entre coágulos recentes e antigos, oclusivos ou não, se há cauda livre do trombo (trombo secundário), se há ou não recanalização, sua extensão e se há comprometimento valvar. Nenhum dos métodos utilizados atualmente consegue preencher completamente estes critérios.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Tratamento convencional da trombose venosa profunda proximal: ainda é uma boa opção?


Os objetivos do tratamento da trombose venosa profunda (TVP) são prevenir ocorrência de embolia pulmonar, síndrome pós-trombótica e recorrência da TVP. Para tal, vários tipos de tratamentos estão disponíveis no arsenal terapêutico.

O tratamento conservador tradicional inicial seria feito com heparina não fracionada (HNF) ou heparina de baixo peso molecular (HBPM), seguido de varfarina (antagonista da vitamina K, AVK) em longo prazo. Outro tratamento empregado, em especial para casos mais graves e extensos, seria o tratamento fibrinolítico (alteplase/Actilyse), seguido de anticoagulantes. Além disso, para esses casos, a trombectomia venosa com cateter de Fogarty seguida de anticoagulantes poderia ser uma alternativa. Mais recentemente, o pentassacarídeo e uma série de novos anticoagulantes, chamados de NOACs (new oral anticoagulants) e posteriormente denominados de DOACs (direct oral anticoagulants), foram testados e vêm gradativamente sendo usados no tratamento da TVP e da embolia pulmonar.